terça-feira, 20 de junho de 2017

A HIPOCRISIA NOSSA DE CADA DIA, AMÉM!


Lá no início dos anos 90, quando comecei minha carreira (ainda muito jovem, visto que era pobrezinho e precisava me sustentar), fui trabalhar em uma escola do bairro Céu Azul - que naquele tempo pertencia ao município de Luziânia.

Éramos quase todos moradores de Luzi City e trabalhando na Escola Municipal Antônio Bueno de Azevedo, pegávamos ônibus às 6h para estarmos na escola às 6h40 (e olha que o trânsito era tranquilo) e às 7h já estávamos em sala de aula.

Todo dia, dia após dia, a mesma repetição. Ainda me lembro de uma colega, que chamarei de Fulana - não quero processo, cuja rotina era marcada pela fé, que ela jurava ter. Como boa católica, que ela jurava ser, Fulana fazia quase todo o percurso entre Luziânia e Céu Azul rezando seu velho e bom terço. Um objeto bonitinho, feito de madeira e (segundo ela) abençoado pelo bispo em pessoa.

O mais intrigante no comportamento de minha amiga Fulana nem era o fato de ela "rezar o terço" todos os dias; mas sim, as pequenas interrupções que ela fazia. Enquanto Fulana fazia sua prece matinal, nós - os outros funcionários - falávamos das coisas mais variadas: da novela ao preço do feijão, do cansaço daquela viagem ao preço do arroz e, claro, da vida das outras pessoas. E era nesse memento que Fulana mostrava toda sua capacidade de concentração. Bastava ouvir o nome de alguém conhecido e o terço era deixado de lado por alguns segundos.

- Viram que a senhora da limpeza ignorou o pedido do diretor? - questionava uma colega.
- Menina, eu vi! - dizia Fulana, virando-se para trás para participar da fofoca - Eu achei o fim do mundo. Quem ela pensa que é? Mas quer saber? Nunca confiei naquela lá... perigosa.

E assim a viagem seguia, Fulana tinha uma capacidade fantástica de interromper suas preces, disparar um rosário (desculpa o trocadilho) completo sobre a vida de todo mundo e retomar sua reza do ponto exato onde havia parado.

O mais interessante acontecia no final da viagem, com a gente indo em bando por uma estradinha de terra em direção à escola. Depois de passar uns bons minutos fofocando e falando mal da vida alheia, Fulana segurava firme o terço de madeira abençoado pelo bispo em pessoa, beijava-o com devoção e repetia a mesma frase por dois anos inteiros.

- Graças a Deus fiz minha prece matinal, hoje sou uma pessoa melhor do que era ontem. Obrigado, Senhor, por não me deixar pecar, amém!

Aharom Avelino

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...